Rali de Portugal ao rubro: Tanak lidera dia de extrema emoção

O Rali de Portugal teve um segundo dia ao rubro com Ott Tanak (Ford Fiesta) a liderar a sexta prova do WRC ao fim de nove especiais percorridas

Aquele que foi o primeiro dia a doer do rali português teve quatro comandantes diferentes em quatro carros diferentes: Hayden Paddon (Hyundai i20), Jari-Matti-Latvala (Toyota Yaris), Kris Meeke (Citroën C3) e Tanak.

Depois dos seus três antecessores, o estónio passou para a liderança com apenas um décimo de vantagem sobre Latvala (Toyota Yaris) na especial 6. Mas a segunda passagem pelo troço mais logo desta sexta-feira, a especial 7 (Ponte de Lima 2, de 27,46 km), acabou por ser fatal para separar um grupo que tinha oito pilotos separados por menos de nove segundos.

Paddon, Latvala e Mekke caíram em Ponte de Lima e foi Dani Sordo (Hyundai i20) quem venceu o troço colocando-se no segundo lugar.

Paddon voltou sentir problemas mecânicos como já lhe tinha acontecido e ifocu com dificuldades ao nível a aceleração ficando muito tempo parado. Latvala virou o Yaris e acabou por terminar em «modo ligação». Kris Meeke acabou mesmo por parar o carro no segundo dia depois do que parecia ser um furo ser também um problema na suspensão.

O vencedor do rali português no ano passado parou durante algum tempo para resolver o que parecia ser um furo, mas os problemas para a suspensão mostraram-se bem mais graves e demorados. Até à paragem por completo.

Os beneficiados, além de Tanak, foram… todos os outros. Pois, com os pilotos tão perto uns dos outros, quem caiu de forma significativa ficou de facto arredado, mas quem estava lá na frente, mais agrupado continuou.

Dani Sordo (Hyundai i20) subiu ao segundo lugar e Sébastien Ogier (Ford Fiesta) ao terceiro – no fim da especial 7, com desvantagens, respetivamente, de 3.6 e 6.2 segundos para Tanak – tendo à esperita Craig Breen (Citroën C3), Elfyn Evans (Ford Fiesta), Thierry Neuville (Hyundai i20)…

Nas duas especiais 8 e 9 que fecharam esta sexta-feira – as duas passagens na Braga Street Stage – já se sabia que, sem erros de maior por alguém, pouco mudaria. Mas houve retoques. Tanak ganhou tempo a Sordo, mas perdeu em relação a Ogier. Ou seja, os três primeiros ficaram dentro de um intervalo menor.

E, até ao sexto classificado, não passam mais de 23 segundos. Com tantos pilotos perto uns dos outros e tanto ainda por percorrer –já neste sábado – o Rali de Portugal promete manter a muita emoção e incerteza que tem trazido até agora.

Classificação do Rali de Portugal após a especial 9:
1. Ott Tanak (Ford Fiesta), +1h37m18.5s
2. Dani Sordo (Hundai i20), +4.6s
3. Sébastien Ogier (Ford Fiesta), +5.0s
4. Craig Breen (Citroën C3), +12.9s
5. Elfyn Evans (Ford Fiesta), +18.3s
6. Thierry Neuville (Hyundai i20), +22.7s
7. Juho Hanninen (Toyota Yaris), +52s
8. Esapekka Lappi (Toyota Yaris), +1m12.3s
9. Andreas Mikkelsen (Skoda R5 WRC2), +3m17.8s
10. Mads Ostberg (Ford Foesta), +3m50s
(…)
22. Miguel Campos (Skoda Fabia R5), +9m43.9s
(…)
26. Pedro Meireles (Skoda Fabia R5), +12m06.3s
(…)
32. Joaquim Alves (Ford Fiesta R5), +20m27.3s

Partilhar

Comentários

Comments are closed.