Mercedes-AMG Project One: a F1 está na Estrada

Mercedes-AMG Project One
partilha

Está o revelado o concept do Mercedes-AMG Project One, o hiperdesportivo híbrido de dois lugares com a tecnologia da Fórmula 1 trazida para a estrada nos 50 anos de AMG. São mais de 1.000 cv e uma velocidade superior a 350 km/h para um carro que deverá ficar limitado às 275 unidades – e que custará alguns milhões de euros...

Este é «o projeto mais ambicioso» levado a cargo pela Mercedes-AMG, confessou o chefe de direção, Tobias Moers sobre um carro com um sistema híbrido de plug-in com um motor de combustão turbo e quatro motores elétricos: um integrado no turbocompressor, outro instalado diretamente no motor de combustão e os outros dois movendo as rodas da frente.

O motor 1.6 litros V6 híbrido a gasolina vem diretamente da equipa de F1 da Mercedes. O motor traseiro-central atinge facilmente as 11.000 rpm – mas não atinge as velocidades da F1 quer por não usar o combustível de corrida quer por questões de longevidade.

Os motores elétricos do eixo da frente atingem as 50.000 rpm. Cada tem 120 kW. O sistema de alta voltagem EQ POwer+ importado da F1 e trabalha a 800 volts em vez dos habituais 400. A caixa sequencial manual de oito velocidades (de patilhas no volante) vem com a marca AMG Speedshift.

Uma das características da F1 no Project One é a geração de eletricidade usando partes do excedente de energia do sistema de exaustão ou o seu armazenamento na bateria de iões de lítio de alta voltagem

Feitas as contas, a tração integral está no motor-central traseiro de mas de 500 kW (cerca de 680 cv de potência) e nos dois motores elétricos no eixo da frente de 120 kw cada (cerca de 163 cv). O Project One acelera dos 0 aos 200 km/h em menos de 6 segundos e supera os 350 km/h de velocidade máxima.

A condução poder se feita pelos motores exclusivamente elétricos. Se se carregar mais no acelerador, o V6 é ligado automaticamente, que se desliga se se aliviar de novo acelerador.

Suspensão multi-link e sistema de travões de cerâmica juntam-se às quatro rodas direcionais com jantes de 19 polegadas à frente e de 20 atrás, com pneus Michelin Pilot Sport Cup desenvolvidos exclusivamente para o hipercarro.

As grandes entradas de ar frontais precedem o cockpit posicionado bem à frete no carro, com a enorme asa traseira e a barbatana de tubarão a darem bons exemplo do design à lá F1, bem como o difusor e o escape central.

O chassis monocoque em fibra de carbono (que se estende à carroçaria), onde estão integrados os bancos dá-nos um interior num estilo minimalista e de pista. Dois ecrãs de 10 polegadas virados para o condutor que tem um volante parecido com os da F1 na colocação dos comandos e uma câmara em tempo real atrás em vez de retrovisor interior permitem manter toda a atenção na pista – perdão, na estrada.

Comentários

Veja mais